Confiante em jogar a Copa, Lucas diz que Felipão não precisa explicar ausências

Por Bruno Winckler - iG São Paulo | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Meia-atacante do PSG aposta em boas atuações para voltar a ser lembrado antes de lista final da seleção para a Copa

Um dos mais promissores jogadores da seleção brasileira dos últimos anos corre grande risco de não estar entre os 23 jogadores de Luiz Felipe Scolari para a Copa do Mundo. Lucas Moura, meia-atacante do Paris Saint-Germain, não fez parte das convocações para os últimos amistosos da seleção brasileira, mas transmite tranquilidade ao falar da frustração que seria não jogar o Mundial no Brasil.

"Se a convocação não vier, vou ficar chateado, mas será uma motivação para poder ir para próxima. Sei que tenho muito para crescer, para melhorar. Mas também sei que tenho potencial, e nada que conquistei foi à toa", disse Lucas, em teleconferência direto de Paris com veículos de imprensa do Brasil. Felipão vai anunciar a lista dos 23 convocados para a Copa do Mundo no dia 7 de maio.

Mowa Press
Lucas domina a bola durante treino da seleção, sob olhar do técnico Luiz Felipe Scolari

O jogador encara com naturalidade suas ausências e diz que não conversou com Felipão desde sua última convocação para jogos contra Coreia do Sul e Zâmbia em outubro. "Depois das últimas convocações não conversei com Felipão. Não tenho essa conversa. Se não convoca, não conversa. É normal. Ele não tem que ficar explicando. Tenho minha autocrítica, acompanho meus lances depois do jogo, o que falam e tento melhorar".

O ex-são-paulino de 21 anos foi um dos mais aclamados jogadores da Copa das Confederações de 2013, mas deixou a competição em baixa depois de perder espaço para Bernard. No final do ano não foi lembrado para os jogos contra Honduras e Chile em novembro e também não entrou na lista do jogo contra a África do Sul na semana passada. 

"Acho que o principal motivo (de ter perdido espaço na seleção) é porque estava atuando pouco. Perdi espaço de titular e o Brasil tem um leque de opções no ataque muito grande. Como não vinha atuando, e chegou Cavani a disputa ficou muito alta aqui e perdi um pouco de espaço. Mas venho trabalhando firme para voltar para a seleção", comentou o jogador, que está no PSG desde janeiro de 2013.

Sem Lucas, Felipão abriu espaço para jogadores como Ramires e Willian, que não jogaram a Copa das Confederações, mas foram muito bem nos amistosos após o torneio. Ambos estiveram no último jogo em Joanesburgo e são nomes praticamente certos na lista final, casos também de Bernard e Hulk, outros jogadores que atuam em posições parecidas a de Lucas. 

"Tem muita coisa para acontecer. Acho que o Felipão ainda não tem os 23 na cabeça. Vou batalhar bastante pra estar nessa lista final aí", disse, comentando logo depois sobre seus concorrentes. "O Brasil tem os melhores jogadores em várias posições, e às vezes pode chamar um cara que faz mais de uma função, tem o Ramires, o Hulk, o Bernard, que joga mais parecido comingo, o Robinho, o Willian. O Brasil está bem servido e quem for escolhido vai representar bem", disse Lucas. 

O jogador tem sido titular do técnico Laurent Blanc nas últimas partidas do PSG. Ainda que tenha sido um ótimo assistente tanto na Liga dos Campeões como na liga francesa, os poucos gols marcados pelo clube podem pesar na avaliação que Felipão fará antes da convocação final. Em 48 jogos pelo PSG ele fez apenas três gols.

"O que eu tento fazer é continuar nessa crescente. Atuando 90 minutos e conseguindo vitórias. Marcar gols também é importante, mas dei muitas assistências, mas quem me conhece sabe que não sou artilheiro", comentou. "Quem assiste meus jogos vê meu crescimento. Estou concentrado nessa reta final até a convocação, crescendo e no final deixa na mão de Deus".

Leia tudo sobre: seleção brasileiralucaspsgfelipão

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas