Thiago Silva, sobre erguer taça do hexa: 'Sonho com esse momento todos os dias'

Por Thiago Rocha - iG São Paulo |

compartilhe

Tamanho do texto

Capitão do Brasil na Copa de 2014, zagueiro revela ansiedade por repetir o gesto que já eternizou outros cinco jogadores e destaca amadurecimento para merecer a braçadeira

Buda Mendes/Getty Images
O zagueiro Thiago Silva em treino da seleção brasileira em Teresópolis

Se o Brasil conquistar a Copa pela sexta vez, caberá a Thiago Silva repetir o ritual que já eternizou Bellini, Mauro Ramos, Carlos Alberto Torres, Dunga e Cafu: levantar a taça de campeão. Escolhido pelo técnico Luiz Felipe Scolari para ser o capitão da seleção no Mundial de 2014, com início daqui a dois dias, o zagueiro do Paris Saint-Germain já teve uma prévia de como será esse momento, na campanha vencedora na Copa das Confederações do ano passado, no mesmo Maracanã onde almeja estar no dia 13 de julho, na decisão do torneio.

Confira a tabela de jogos da Copa do Mundo de 2014

"Eu sonho com esse momento todos os dias. Seria a minha maior realização profissional", confessou Thiago Silva ao iG Esporte.

Brasil é único entre os favoritos que não enfrenta problemas às vésperas da Copa

Reserva em 2010, na África do Sul, o jogador de 29 anos chega à segunda Copa da carreira com status de melhor zagueiro em atividade. Por seu clube, formará na próxima temporada europeia a "melhor defesa do mundo", já que o PSG contratou David Luiz, seu parceiro de zaga na seleção brasileira. A caminhada para a realização do sonho do carioca revelado pelo Fluminense tem início na próxima quinta-feira, na Arena Corinthians, em São Paulo, com o jogo de abertura do Mundial, entre Brasil e Croácia.

Confira abaixo a entrevista exclusiva com Thiago Silva.

Thiago Silva com a taça de campeão da Copa das Confederações em 2013. Foto: Michael Regan/Getty ImagesJogadores cantam o Hino Nacional antes de Brasil x Uruguai, semifinal da Copa das Confederações. Foto: Ronald Martinez/Getty ImagesAo lado de Thiago Silva e José Maria Marin, a presidente Dilma Rousseff ergue a taça da Copa das Confederações. Foto: Ueslei Marcelino/ReutersThiago Silva marca de cabeça e empata o amistoso com Portugal em 1 a 1, em setembro de 2013. Foto: Brian Snyder/ReutersLuiz Felipe Scolari recebe jogadores da seleção brasileira na Granja Comary para a Copa do Mundo. Foto: Rafael Ribeiro / CBFNeymar e Thiago Silva juntos pela seleção brasileira. Foto: CBF/Divulgação

iG Esporte: O que o credencia a ser capitão da seleção brasileira nesta Copa? O que o levou a ganhar a confiança do treinador e do grupo para atingir esse patamar?

Thiago Silva: Da última Copa para cá, amadureci muito. Felizmente, consegui manter meu nível de atuações tanto nos clubes como na seleção e conquistar a confiança dos treinadores. Eu me sinto preparado para essa importante missão.

Se a seleção for campeã mundial em 2014, caberá a você repetir o gesto que outros cinco capitães já fizeram, mas vencer a Copa no Brasil pode fazer o ato de levantar a taça ainda mais especial. Já pensou nesse momento, que você já teve um aperitivo na Copa das Confederações? Pensa em fazer algo especial, diferente?
Eu sonho com esse momento todos os dias. Seria a minha maior realização profissional. Espero poder dar de presente esse título para minha família, meus amigos e o povo brasileiro, que irá nos ajudar demais. Pode ter certeza de que na hora de levantar a taça, vou caprichar!

Você é um dos seis jogadores convocados para 2014 com experiência em outras Copas. Acha que a falta de rodagem da maioria do elenco neste tipo de torneio pode ser prejudicial?
Acho que é algo relativo. Realmente temos alguns jogadores jovens, que terão uma responsabilidade gigantesca. Mas eu sinto que eles estão preparados para isso. Não começaram ontem, já têm uma certa bagagem, apesar da idade. Isso sem falar que temos diversos jogadores experientes para ajudá-los, como Júlio César, Dani Alves, Fred...

Neymar tem apenas 22 anos e deve ser um jogador muito visado, dentro e fora de campo. Você acha necessário preservá-lo mais antes e durante a Copa? Teme que algo possa desviá-lo do foco?
É necessário evitar uma exposição exagerada. Mas nada tira o foco dele. Ele quer muito ganhar esta Copa. Está totalmente voltado para isso, assim como todo o grupo selecionado.

Alguns jogadores, brasileiros e estrangeiros, chegarão às suas seleções bem desgastados por conta do fim de temporada na Europa. Há o risco de um ou outro chegar à Copa no limite fisicamente?
Não creio nisso. O trabalho de recuperação física será feito por grandes profissionais. Pouca gente se machucou, a maioria estará bem fisicamente.

Lucas, seu companheiro no Paris Saint-Germain, ficou fora da lista final para a Copa. Você conversou com ele após a convocação?
Falamos um pouco. É normal ficar chateado, mas tenho certeza de que ele não irá baixar a cabeça. Poderá ainda nos dar muitas alegrias.

Na Copa das Confederações, os protestos populares dividiram a atenção com a seleção brasileira. Há promessas de manifestações durante a Copa, por conta do gasto público com estádios, contra a Fifa. Como jogador e cidadão, você teme que problemas externos possam marcar a Copa no Brasil?
O povo está no direito dele de protestar em busca de um país melhor para todos viverem. Sabemos das dificuldades de muitos brasileiros no dia a dia. Mas não se pode confundir protesto com violência. A paz precisa sempre estar presente. Não acredito que os protestos irão marcar a Copa. Eles irão existir, mas a alegria do povo brasileiro em receber uma Copa do Mundo e poder torcer pela própria seleção dentro de casa será maior.

Leia tudo sobre: thiago silvaseleção brasileiracopa 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas