Brasil sofre maior vexame de sua história e Mineirazo sepulta o Maracanazo

Por Bruno Winckler - enviado iG a Belo Horizonte (MG) | - Atualizada às

compartilhe

Tamanho do texto

Blitz alemã em 30 minutos acaba com sonho do sexto título mundial do Brasil na sua maior derrota em 100 anos

Esta geração de brasileiros não viu o Maracanazo. Mas presenciou o maior vexame da história da seleção brasileira. Não há outra definição para o passeio sofrido dentro decasa para a Alemanha nesta terça-feira, na semifinal da Copa do Mundo, no Mineirão, em Belo Horizonte: 7 a 1. Umas das maiores goleadas já sofridas pelo Brasil na história. Antes, havia tomado 7 a 2 da Itália, em 1919, 8 a 4 da Iugoslávia, em 1934, e 6 a 0 do Uruguai, em 1920.

Jamie McDonald/Getty Images
Schürrlle celebra o sexto gol alemão contra o Brasil


E isso num Mundial jogado em casa. E no ano em que a seleção brasileira celebra 100 anos de existência. Nada poderá ser mais vergonhoso em outros 100.

Os registros históricos desse 8 de julho trarão para as gerações futuras a dimensão de que o que foi visto nos 30 minutos iniciais da partida foi algo que esteve longe de parecer um jogo entre as seleções que mais estiveram em Copas do Mundo.

A humilhação escancara uma preparação ruim, um time que foi montado em cima do seu maior craque e que na primeira vez em que não contou com ele num jogo importante nos últimos quatro anos sucumbiu à seleção que bateu o recorde de presenças em semifinais seguidas em Copas: 4.

Oscar invade a área e chuta na saída de Neuer para descontar a favor do Brasil. Foto: Getty Images/PoolSchürrle bate de esquerda e marca o sétimo da Alemanha contra o Brasil. Foto: Michael Steele/Getty ImagesSchürrlle observa seu chute pegar no travessão e entrar no gol de Júlio César. Foto: Getty Image/Martin RoseSchürrlle celebra o sexto gol alemão contra o Brasil. Foto: Jamie McDonald/Getty ImagesJulio Cesar afasta bola de Müller no ataque alemão. Foto: Frank Augstein/APNeuer defende antes da bola chegar em Oscar no segundo tempo. Foto: Laurence Griffiths/Getty ImagesTorcedor brasileiro lamenta goleada da Alemanha. Foto: Eddie Keogh/ReutersTorcedora brasileira chora com a derrota do Brasil no Mineirão. Foto: Eddie Keogh/ReutersO primeiro tempo acabou com a Alemanha vencendo o Brasil por 5 a 0. Foto: Martin Meissner/APTriste, Julio Cesar deixa o gramado no primeiro tempo. Foto: Themba Hadebe/APDante e Luiz Gustavo, que atuam no futebol alemão, demonstram desespero após mais um gol alemão . Foto: APDesolado, Marcelo lamenta gol da Alemanha no Mineirão. Foto: Marcos Brindicci/ReutersKhedira faz o quinto gol da Alemanha. Foto: Pool/Getty ImagesFernandinho lamenta outro gol da Alemanha contra o Brasil. Foto: Natacha Pisarenko/APKroos marca, enquanto Julio Cesar e Fernandinho lamentam mais um gol alemão. Foto: Hassan Ammar/APKroos marca o terceiro da Alemanha contra o Brasil no Mineirão. Foto: Laurence Griffiths/Getty ImagesKlose comemora o segundo gol da Alemanha diante do Brasil. Foto: Robert Cianflone/Getty ImagesKlose marca o segundo da Alemanha e passa Ronaldo como maior artilheiro em Copas. Foto: Jamie McDonald/Getty ImagesDavid Luiz divide bola com Klose no meio campo. Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMMJulio Cesar não alcança chute de Muller. Foto: Jamie McDonald/Getty ImagesMüller chuta de direita e abre o placar para a Alemanha. Foto: Jamie McDonald/Getty ImagesOzil e Maicon disputam bola de cabeça na semifinal da Copa. Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMMKhedira e Fernandinho disputam bola no meio de campo. Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMMJulio Cesar e David Luiz com a camisa de Neymar durante a execução do hino nacional em Belo Horizonte. Foto: Getty ImagesTorcedores brasileiros exibem a máscara do atacante Neymar, que não poderá jogar a partida desta terça-feira. Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMMTorcedores brasileiras beijam a taça na arquibancada. Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMMBrasileiras mostram animação antes da partida contra a Alemanha. Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMMBrasileiros fazem a festa nas arquibancadas do Mineirão. Foto: Jefferson Bernardes / VIPCOMMBrasileiros brincam com a fama de pé frio de Mick Jagger. Foto: Jefferson Bernardes/VIPCOMMAlemão leva faixa alusiva ao possível tetracampeonato em Copas. Foto: Michael Steele/Getty Images

O Brasil joga em clima de velório a disputa pelo terceiro lugar contra quem perder entre Argentina e Holanda, nesta quarta-feira, em São Paulo. A Alemanha fará a final e tentará seu quarto título mundial no domingo, no Maracanã.

O primeiro gol, numa falha de toda a defesa, veio aos 10 minutos. Thomas Muller marcou seu quinto gol no Mundial, décimo em Copas. A pane estava instalada. Aos 14, a torcida que se acostumou a gritar “Eu Acredito” nos jogos do Atlético-MG na campanha da Libertadores de 2013 adotou o mesmo canto. Talvez o sinal mais claro do tamanho do desespero diante de tanta superioridade alemã.

Klose marca contra Brasil e se isola como maior artilheiro da história das Copas

Neymar não estava lá para ser a saída para um momento de desespero. Estava Bernard, que de alegria nas pernas, como gosta de dizer Felipão, passou longe. O gol colocou o time em parafuso, e em 20 minutos o placar da humilhação já estava decretado. Klose, aos 23, superou Ronaldo como o maior artilheiro da história das Copas com 16 gols. Aos 24, foi a vez de Kroos aumentar. Um minuto depois, ele também fez o quarto e Khedira colocou a pá de cal aos 29. Apagão.

AP
Klose corre para comemorar enquanto Julio Cesar e Fernandinho lamentam mais um gol sofrido

A partir dali, a Alemanha tirou o pé. Não se esforçou para ampliar o vexame do rival. Apenas duas seleções haviam ido para o vestiário com cinco gols sofridos na história do Mundiais: Zaire e Haiti, em 1974. Esta foi a maior derrota da história da seleção numa Copa do Mundo. Supera a da final de 1998, quando sofreu 3 a 0 para a França na final em Saint Denis. O Brasil, presente em todas 20 edições, sofreu menos de cinco gols na campanha inteira de 11 das Copas disputadas.

Felipão, atônito, não fez nada para mudar o cenário da tragédia. Trocou no intervalo apostando em não levar mais. No segundo tempo, a torcida que ficou no estádio (muitos brasileiros já haviam ido embora) elegeu Fred como o grande vilão. Vaiou-o no seu primeiro toque e quando foi substituído aos 25 minutos, por Willian. Neuer já havia feito defesas impressionantes para evitar o gol de honra do Brasil. Mas não havia honra a ser defendida.

O Brasil foi humilhado e a torcida reconheceu. Cantou olé, num misto de ironia e satisfação de ver a história diante de seus olhos, depois do sexto gol, marcado por Schürrle. Depois do sétimo, também de Schürrle, a torcida brasileira não encontrou meios para reverenciar os alemães. E aplaudiu de pé. Os torcedores alemães, concentrados num canto superior do Mineirão, cantavam e cantavam. “Rio de Janeiro, Rio de Janeiro!” Eles vão à final. Cantaram “Brasil, Brasil” também, em claro sinal de fair play.

O Brasill tentará curar as feridas longe do Maracanã, no Mané Garrincha. Nem o gol de Oscar, que ao menos não deixou o placar zerado para os brasileiros, foi suficiente para diminuir a vergonha. A maior da história da “Amarelinha”.

FICHA TÉCNICA – BRASIL 1 x 7 ALEMANHA

Local: Mineirão, em Belo Horizonte
Data: 8 de julho de 2014, terça-feira
Árbitro: Marco Rodríguez (MEX)
Assistentes: Marvin Torrentera e Marcos Quintero, ambos do México
Gols: Thomas Muller, aos 10 e Miroslav Klose aos 22, Kroos aos 24 e 26 e Khedira aos 29 minutos do 1º tempo. André Schürlle aos 24 e 33 do 2º tempo. Oscar, aos 45 do 2º tempo
Público: 58.141 presentes.
Brasil: Julio Cesar; Maicon, Dante, David Luiz e Marcelo; Luiz Gustavo, Fernandinho (Paulinho, no intervalo) e Oscar; Bernard, Hulk (Ramires, no intervalo) e Fred (aos 25 do 2º tempo).
Técnico: Luiz Felipe Scolari
Alemanha: Neuer; Lahm, Boateng, Hummels (Mertesacker, no intervalo) e Höwedes; Khedira (Draxler aos 32 do 2º tempo), Schweinsteiger, Kroos e Ozil; Muller e Klose (Schürlle, aos 14 do 2º tempo)
Técnico: Joachim Löw

Leia tudo sobre: seleção brasileiraalemanhacopa 2014

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas