Felipão ignora manifestações e critica ingleses por protestos pré-Olimpíadas

Ao responder pergunta sobre insatisfação popular no Brasil feita por jornalista estrangeiro, técnico lembra de episódios em Londres

Bruno Winckler e Levi Guimarães - enviados iG ao Rio de Janeiro |

Com a série de manifestações acontecendo no Brasil na última semana, virou praxe nas entrevistas ao longo da Copa das Confederações que jogadores, técnicos e dirigentes fossem questionados sobre o assunto. Após o título ganho pelo Brasil contra a Espanha não foi diferente, mas dessa vez o técnico Luiz Felipe Scolari não segurou um desabafo.

Comente esta notícia com outros torcedores

"Não é a minha área, então não posso falar nada. Mas aos ingleses eu gostaria de perguntar, antes das Olimpíadas o que aconteceu por lá? Seria bom dar uma olhadinha no seu país antes de falar mal do meu, dê uma olhadinha no que aconteceu por lá", disse o treinador em resposta a um jornalista que perguntou em inglês sua opinião sobre os protestos. Em Londres, houve manifestações contrárias aos Jogos Olímpicos por conta do investimento necessário para organizar o evento em momento em que a Europa vivia sob instabilidade econômica.


Embora tenha tentado se manter alheio aos protestos, sempre justificando que não entende do assunto e que não tinha informações suficientes para opinar, o treinador mostrou otimismo sobre as possíveis mudanças em curso no país ao comentar a emoção causa no time quando a torcida cantou o hino brasileiro à capela antes de cada jogo do torneio da Fifa.

Leia mais : 'Ainda temos que provar muita coisa', diz Felipão após título no Maracanã

"Quando a torcida canta o hino… algumas pessoas podem achar que é bobagem o que eu vou falar, mas vocês viram nossos jogadores cantando? Eles estão motivados e querem dar mais. E é assim não só no futebol, mas na vida. Quando nos unimos somos fortes. Em tudo o Brasil já mostrou que pode ser assim. Espero que isso se concretize ano que vem com a Copa e nesses outros detalhes que estão acontecendo no país", afirmou.

Notícias Relacionadas


    Mais destaques

    Destaques da home iG